Pular para o conteúdo principal

Influências Históricas III - As Civilizações do Mar Egeu, o Start da Culinária Mediterrânea.

 


Influências Históricas III - As Civilizações do Mar Egeu, o Start da Culinária Mediterrânea.


OS POVOS DO MAR EGEU entre 3000 a 1500 A.C


A Civilização Minoica

 

A Civilização Minoica, que surgiu na ilha de Creta entre 3000 e 1450 a.C, foi a primeira civilização a emergir nas costas do Mar Mediterrâneo (e a primeira no mundo a não se desenvolver na planície de inundação de um rio). Não se sabe suas origens, mas boa parte da sua agricultura, manejo e costumes se assemelham muito com os Sumérios e Babilônicos, pois já haviam desenvolvido Agricultura extensiva, manejo de gado, tração por animais(cavalos). Os minoicos deixaram um legado de grandes palácios, cerâmicas finas, utensílios de cozinha em metal e terracota, banquetes suntuosos e utensílios de ouro e bronze. Em sua ilha montanhosa, os minoicos cultivavam azeitonas, trigo e uvas, criavam carneiros nos pastos das montanhas e pescavam. Sua Gastronomia já se baseava em Azeite, azeitonas, pães (não fermentados), vegetais nativos (alcaparras, aspargos, batatas, grãos nativos, frutas como uvas, figos, pêssegos e ameixas), Carne Caprina e Ovina, Peixes, frutos do mar (foram os primeiros a salgar proteínas para conservas) e já produziam vinhos e queijos caprinos . Grande parte da produção era exportada para terras distantes, como Egito, Síria e Chipre. Acredito ser a primeira evolução gastronômica dos povos egeus e helênicos, pois a base alimentar deste povo e sua natureza comercial, pastora e rural influenciou todos os povos que dela descenderam como os Gregos, Etruscos e Romanos. Por volta de 1700 a.C, quase todos os palácios minoicos haviam sido destruídos pelo fogo, como resultado de guerras ou terremotos, mas logo foram reconstruídos. Posteriormente, os minoicos começaram a produzir cerâmicas e afrescos de excelente qualidade. 

Em torno de 1500 a.C. , uma enorme erupção vulcânica na ilha de Thera (hoje Santorini) produziu um maremoto que devastou mais uma vez as cidades e os palácios minoicos, destruindo a maioria de seus barcos. Porém tudo foi reparado, e Creta permaneceu próspera por muitos anos. A civilização minoica chegou ao fim aproximadamente em 1450, quando os micenianos (ver a seguir) assumiram o controle do mar Egeu.


A Civilização Micênica

 


Os micenianos constituíam um povo próspero, artístico e aguerrido. Viviam na planície de Argos, na Grécia continental, e, assim como os minoicos, eram uma civilização egeia. O período de grandeza se iniciou por volta do ano 1600, quando os micenianos começaram a construir pequenas cidades fortificadas, com destaque para Tirinto, Pilos e Micenas.

Por volta do ano 1450, os micenianos ocuparam Creta e se apossaram do comércio marítimo dos minoicos, viajando até a Ásia Menor e a Síria, e comerciando com a Sicília e a Itália. Também deram início ao processo de colonização grega (que atingiu o apogeu no Período Clássico da Grécia), estabelecendo-se em Rodes, Chipre e no sudoeste da Anatólia.

Os micenianos converteram a escrita minoica em uma forma de grego, que acabou sendo traduzida, revelando que os micenianos adoravam muitos dos deuses gregos clássicos, inclusive Poseidon, Apolo e Zeus. A temática bélica se destacava na arte micênica — que recebeu muitas influências minoicas, embora conservando suas características —, estando presente em vasilhames, armaduras, armamentos e máscaras de ouro, como também sua Gastronomia e seus banquetes e oferendas que eram muitos semelhantes, tantos nas técnicas como no manuseio – Proteína animal obtida de manejo pastoreio de Ovinos e caprinos, peixes, frutas, legumes e grãos nativos, contribuindo com a base para as gastronomias que se desenvolveriam a seguir que a base, Azeite, Uvas, leite e carne caprinas e ovinas e peixes fundariam a Cozinha Grega, Etrusca e Romana e a base da Culinária Mediterrânea.

Por volta do ano 1200 a.C., segundo algumas lendas, os micenianos saquearam Troia (situada na costa egeia da Anatólia), embora seja provável que a amplitude dessa expedição tenha sido muito exagerada no relato feito por Homero na Ilíada. A civilização miceniana ruiu por volta de 1120a.C.  De modo geral, não se sabe o que provocou sua queda, mas esta ocorreu durante um período de muitos distúrbios no leste do Mediterrâneo (o Império Hitita desapareceu em 1205a.C.) e pode estar relacionada com as invasões promovidas pelos Povos do Mar Egeu.




A Cozinha Egeia - Ilha de Creta e Continental

 

Poderia ter sido essa a 'fórmula mágica', aquela mesma da Dieta Mediterrânea que levou a civilização minoica a se tornar uma das civilizações mais avançadas do mundo antigo? 

Houve outros milênios naquela época, mas hoje com certeza, depois de mais de 3.000 anos, a dieta
cretense
 não parece ser completamente diferente. São utilizados os mesmos produtos genuínos da terra fértil, azeitonas e azeite (que aqui se torna 1/3 das necessidades diárias de um indivíduo), mas acima de tudo -  Cereais e leguminosas , frutas e vegetais e, em menor medida, queijos , leite , peixe e frutos do mar e um pouco de vinho em cada refeição. Uma dieta mediterrânea clássica diria muitos de vocês. 

Mas me veio à mente, que na mitologia grega, ou segundo ela, o menino Zeus era alimentado com o leite de uma cabra selvagem, e depois também a ninfa Melissa que alimenta o mesmo deus com mel. Para agradecê-los, Zeus deu ao ouro o famoso chifre da abundância, o cornu copiae , que é a cornucópia , que ainda é considerada o símbolo da agricultura, da providência e da felicidade ... e Zeus segundo os mitos e não esqueçamos que As lendas gregas nasceram em Creta.

 Uma análise mais aprofundada dos artefatos antigos recuperados em escavações na Ilha de Creta pelo
renomado arqueólogo inglês, Sir Arthur Evans no começo do século XX, permitiu revelar detalhes fascinantes sobre como pode ter sido a dieta cretense nos tempos antigos

Por exemplo, ao raspar o interior dos vasos e ânforas usados ​​naquela época, foi possível afirmar que a dieta não mudou nada em relação a hoje. Um exemplo entre todos: o costume era assar a carne antes de refogá-la com legumes, e depois acompanhá-la com várias ervas aromáticas, azeite de oliva com açafrão. Ainda hoje, são produtos que não podem ignorar a dieta de um cretense. A pesquisa também mostrou que no mesmo período minoico o vinho resinado, o conhecido vinho aromatizado com a resina do pinheiro de Aleppo e conhecido como ' Retsina ', já estava em uso.   

Já se sabe que a dieta cretense não era apenas aromática e saborosa, mas também extremamente saudável.  No passado e como é ainda hoje, os produtos da terra e da criação são exatamente os mesmos da Dieta dos Povos do Mediterrâneo e da Dieta Mediterrânea do Dr.Ancel Keys (A Cozinha Cilentana) :

Proteínas (ovinos, caprinos, suínos, bovinos, aves domesticadas, aves de caça e seus ovos), Vegetais plantados e colhidos e todas as variedades autóctones de origem selvagem ; as leguminosas usadas na culinária cretense são sempre os mesmos, tradicionalmente utilizados no preparo dos inúmeros pratos locais, nomeadamente ervilhas, lentilhas, favas, favas e grão de bico; e claro, também existe uma enorme variedade de vegetais, como alcachofra selvagem, aspargo, chicória, radicchio, alho-poró selvagem, mostarda selvagem, cardos, entre outros... Vejam que desde os primórdios da Civilização estes elementos foram surgindo e reaparecendo de uma Civilização a outra, sinal que em suas diásporas ou fugas levavam consigo as sementes e o manejo de plantio e de criação!

O mel de Creta, que na época antiga era considerado terapêutico e de cura! Levou
Hipócrates recomendá-lo para a cura de muitas doenças e Aristóteles, que acreditava que o mel poderia prolongar a vida. 

O Leite e os Laticínios, como a Coalhada, principal desjejum minoico ou cretense, hoje conhecido com Iogurte Grego ou o Queijo, hoje conhecido como Feta, fresco ou curado em sal ( Lembra que falei do sal? )

O Azeite que naquela época tinha uma conotação muito mais propedêutica e cosmética que gastronômica. A Mulher Cretense (já conhecidas no mundo Antigo, como as mais belas e bem cuidadas) praticamente criaram a Cosmética através de sues cremes e banhos de tratamento epitelial e capilar com Mel, leite, Azeite e sais! Porém com o passar de seu uso na culinária da época, se difundiu entre os povos mediterrâneos até os dias de hoje.

Inúmeras sobremesas da culinária grega e do Oriente Médio também derivam do mel, entre todas as famosas Baklavas (massa folhada coberta com calda de mel) e Kataifi (massa folhada recheada com nozes e temperada com mel). O Dictamnus, o ancestral do orégano, a manjerona, uma erva aromática da família dos manjericões e das salsas e o famoso chá de Creta , a base de erva-doce, mel e frutas cítricas que deram origens aos limões e laranjas com propriedades (ao que parece) afrodisíacas.     

Percebemos que muitas destas características da ilha de Creta foram passadas aos micenianos e aos Fenícios e posteriormente aos gregos...Ali se nasceu toda a Cultura helênica, sua religião, suas crenças, folclore e dieta (que segundo a tradução grego significa – modo de vida). E também nasce todas as nuances e prerrogativas que conceituam a Culinária Mediterrânea e que veremos através da História e da Arqueologia dos Alimentos, se desenvolver no que encontramos hoje!

Achei este Documentário no Youtubez com a historiadora, autora e radialista inglesa - Bettany Hughes



Continuem Acompanhando...

Chef Paulinho Pecora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Influências Históricas I - As Civilizações Antigas da Mesopotâmia e suas Influências sobre a Culinária Mediterrânea...

  As Civilizações Antigas da Mesopotâmia e suas Influências sobre a Culinária Mediterrânea... Antes de ler este post gostaria, se possível for, lerem este post que é aonde começa esta série... ORIGENS ARQUEOLÓGICAS E ANTROPOLÓGICAS DA CULINÁRIA MEDITERRÂNEA POVOS PRÉ-SUMERIANOS E A SUMÉRIA – 4200 A 2400 aC Por volta do ano 6000 AC   grupos de agricultores nômades vindos do Norte e Centro da Eurásia se estabeleceram na área fértil na Planície da Anatólia – Turquia. E no Sul e Sudeste da Mesopotâmia no Vale dos Rios Tigre e Eufrates (hoje parte da Síria e do Iraque) – Mesopotâmia no antigo Grego significa “Terra entre Rios” e de todos esse povos os que mais se desenvolveram e prosperaram foram os sumérios ( No Grego antigo – Cabeças Pretas) e assim fundaram uma nação conhecida então como Suméria. A partir desse início humilde, formou-se a primeira grande civilização do mundo. Os agricultores sumérios conseguiam obter fartas colheitas de cereais e outros produtos agrícolas, cujos excede

Os Ciclos Históricos da Fome - Origens Arqueológicas e Antropológicas da Culinária Mediterrânea

  Origens Arqueológic as e Antropológicas da Culinária Mediterrânea  Vamos voltar no tempo... Vamos há 13.000 anos atrás! Antes da formação da Civilização Humana exatamente no final da última Grande Era Glacial e do grande degelo da Terra que permitiu; mesmo após um grande cataclismo e morte de milhares (ou milhões conforme a Teoria Cientifica defendida...) de humanos e animais e que os sobreviventes pudessem ou tivessem deslocando-se pelos continentes e oceanos criando as Primeiras Civilizações Humanas. ( Na verdade assim fizeram, mas ainda as teorias divergem muito!) A Civilização Humana Primitiva com os primeiros processos de colheita e plantio e a cria de animais domesticados permitiram, aos humanos nômades e viventes, daquela época conseguir transformar a sua dieta* de caça e a procura do alimento de subsistência para uma dieta dividida em refeições diárias equilibradas com os ingredientes obtidos conforme sua época e sua sazonalidade (Agricultura de Extração) ou de região de plan

Influências Históricas II - O Egito Antigo e sua Influência sobre a Culinária Mediterrânea...,

  EGITO ANTIGO  O ANTIGO IMPÉRIO - 2400 a 1200 AC A primeira grande civilização da África teve início com o povoamento do vale do Nilo, no Nordeste do continente, por volta do ano 5000. Acredita-se hoje que seus colonizadores provinham do Saara, onde as primeiras sociedades agrícolas haviam se desenvolvido 2 mil anos antes, quando as mudanças que o transformaram em um deserto ainda não haviam ocorrido. Essas mesmas mudanças climáticas secaram os pântanos do vale do Nilo, que assim se tornou mais atraente para os agricultores. Em meados do quarto milênio, o vale do Nilo já estava densamente povoado. Cidades haviam se desenvolvido, e a região fora dividida em dois reinos egípcios. A cronologia tradicional egípcia considera que, em 3200, o faraó (soberano) Menés unificou os dois reinos do país e criou um Estado ‐ único. Esse foi o início de uma civilização que durou 3 mil anos e que ficou marcada por suas tumbas monumentais e pelo florescimento da cultura egípcia. No período mais remoto d