Pular para o conteúdo principal

A Culinária Mediterrânea e sua Dieta Alimentar

 



Quando falamos em Culinária Mediterrânea é necessário entender o que ocorre neste Região do mapa acima, que faz os ingredientes e insumos terem características organolépticas e nutricionais ou orgânicas tão incomuns e singulares. E as diferenças conceituais entre Culinária Mediterrânea e Dieta Mediterrânea

O que são Propriedades Organolépticas de um Alimento?

  • São características dos materiais que podem ser percebidas pelos sentidos humanos, como a cor, o brilho, a luz, o aroma, o odor, a textura, o som, o sabor e o gosto.


O que são Propriedades Orgânicas e Nutricionais de uma Alimento?

  • São características físico-químicas e biológicas dos materiais que compõem o alimento e que produzem carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e sais minerais essenciais e necessários para uma excelente nutrição.


*O Conceito de Dieta é o conjunto de alimentos e bebidas ingeridos usualmente por uma pessoa. A palavra "dieta" tem origem no latim "diaeta", que vem do grego “díaita”, que significa "modo de vida".

*O Conceito de Culinária é a arte de cozinhar, ou seja, o ato de confeccionar alimentos. Ela evoluiu ao longo da história dos povos para tornar-se parte da cultura de cada povo. Está invariavelmente associada à cozinha, pois este é o local ideal para cozinhar.

Na Culinária de qualquer lugar - Suas técnicas, sua nomenclatura e suas receitas são diretamente influenciadas pela sua Cultura, Religião, Folclore, Crenças, Clima, Relevo, Guerras e a Sobrevivência pela Fome.



A Culinária Mediterrânea* ou a Dieta Alimentar do Mediterrâneo* é a cozinha aplicada pelos povos que margeiam o Mar Mediterrâneo, é o conjunto de receitas e técnicas, sejam na Culinária e Enogastronomia de cada local, que estes povos criaram através de sua História e a...

Dieta Mediterrânea - Declarada Patrimônio Imaterial da Humanidade e que comprovadamente fornece benefícios reais à saúde - É o conceito criado pelo Dr. Ancel Keys, médico fisiologista e militar americano que na Segunda Guerra Mundial constatou em um Hospital Militar dos Aliados sediado na cidade de Paestum, na Costa del Cilento na Itália, que os pacientes que lá estavam se recuperavam entre 25% a 35% mais rápido que em outros hospitais de campanha sediados na Europa.

A partir desta constatação, que foi por ele provada cientificamente no Estudo dos 07 países, “Seven Countries, a Multivariete Analysis of Death and Coronary Heart Diseases”  - Japão, Finlândia, Holanda, EUA, ex-Iugoslávia, Itália e Grécia. estudo realizado a partir de inquéritos e analise de uma amostra de 12 700 indivíduos de idades compreendidas entre os 40 e os 59 anos, verificou- -se comparativamente e em relação aos outros países uma menor incidência de doenças do coração e maior longevidade nas populações da bacia do Mediterrâneo que consumiam determinado tipo de alimentos, desenvolviam exercício físico quotidiano e atividades de convívio comunitário.

À partir daí começou a estudar mais a fundo a Cozinha Cilentana (A Cozinha da Costa do Cilento - Itália) e as refeições servidas naquele hospital feitas por freiras católicas e senhoras residentes na região e que traziam uma nutrição diferenciada e por não dizer curativa. Outra curiosidade era a longevidade e a saúde mental e corpórea desses habitantes do Cilento, na época muito acima da média europeia e mundial. Esta diferenciação ou estas particularidades fizeram com que o Dr. Ancel Keys não só pesquisasse as propriedades dos alimentos ali produzidos e servidos frescos diariamente aos militares em recuperação ou convalescença, plantados e colhidos nas cercanias do Hospital Militar de Paestum, mas também a cultura e na forma de viver daquele povo nativo do local, tanto que, na década de 60 o Dr. Keys se mudou para uma cidade vizinha no próprio Cilento, a cidade de Pioppi e viveu ali por 40 anos até sua morte com 99 anos de idade (1904-2004) e sua esposa posteriormente com 96 anos (1909-2006). 

Ele mesmo foi testemunha e resultado de sua própria ciência em sua casa e na sua Clínica nesta cidade, que são hoje o Museu Mundial da Dieta Mediterrânea. E antes de nos aprofundarmos no assunto dos conceitos do Dr. Keys e da sua Dieta vamos entender o que ocorre naquela região especificamente, quais são as qualidades e propriedades únicas e por que ela é considerada Patrimônio Imaterial da Humanidade e indicada pela maioria dos Médicos Nutricionistas e Fisiologista do mundo como a melhor dieta e de que forma podemos transformar e adaptar estes conceitos e seus alimentos para a nossa Biodiversidade Brasileira.

É importante salientar que nesta região, o Cilento, que é aonde vivo e faço minhas pesquisas como este pioneiro médico o manejo de solo e de criação, como também os manejos de obtenção alimentar e de recursos, além de particulares, levam em conta tradições milenares! 

Agricultura, Clima e Relevo do Cilento.

 

ü  Agricultura Familiar e Orgânica

ü  Pequenas Propriedades

ü  Atividade Litorânea

ü  Piscicultura

ü  Salinidade do Mar Mediterrâneo

ü  Clima Temperado e Relevo Montanhoso

ü  Micro climas e cataclismos




Não é somente o Mar ou Oceano que influem na Dieta Mediterrânea e sim os microclimas que se sobrepõem devido há vários fatores climáticos e de relevo, por exemplo: o vento transmontano que sopra do Deserto do Saara para o litoral norte africano e no Sul Europa trazem, cálcio e sílica que influem nos nutrientes das frutas e raízes dos produtos mediterrâneos, que ao serem ingeridos aumentam a resistência óssea e epitelial o que faz dos mediterrâneos serem longínquos e viverem mais.
As cinzas cuspidas e espalhadas pelas erupções de vulcões em atividade na Europa como na Islândia, Itália e Rússia assentam através da chuvas em todo o solo mediterrâneo, fertilizando o solo e produzindo em suas raízes Óxidos e Oxalatos de enxofre, Calcários, potássio, cadmio, sódio. lítio entre outros formando as cores, açucares, sais minerais e vitaminas em frutas, legumes e verduras.

Ação das Nuvens de Cinzas na Europa e na Bacia do Mediterrâneo! 

Vulcões em Atividade no Sul da Itália!!!

Outro fator é a salinidade do Mar Mediterrâneo e as intensas erupções vulcânicas, aí me perguntam - O que têm a ver...?  Muito fácil...maior salinidade...mais ingestão de sais de sódio e potássio e as cinzas vulcânicas que ficam na terra por centenas de anos trazem enxofre e nitrogênio no ar e esses 7 componentes sais minerais ( enxofre, cálcio, sódio, fósforo, potássio, sílica e nitrogênio) formam todas as enzimas e vitaminas necessárias para a completa nutrição de um corpo humano. E é o que faz da Dieta Mediterrânea ser considerada a mais completa dieta nutritiva e Patrimônio Imaterial da Humanidade.

Reparem que o Mar Mediterrâneo tem uma dos maiores índices de salinidade do Mundo!


Cultura, Religião, Crenças e Folclore



Outros fatores tem origens históricas, econômicas e culturais, pois desde da Grécia Antiga, 3000 anos a.C, esses fatores influenciaram as receitas e seu modo de vida:

ü  Sociedade e Mitologia Etrusca e Grega

ü  Sociedade e Mitologia Romana

ü  Cristianismo

ü  Invasão Bárbara

ü  Invasão Moura (Bizantinos e Árabes)

ü  Idade Média (Igreja e Feudalismo)

ü  Mercantilismo e a Exploração Marítima



E que fez esta região ser muito rica e invejada por povos nômades e bárbaros, da África , Oriente Médio, Ásia e Norte da Europa que viam nela uma fonte de riqueza, de alimento e principalmente de pilhagens e assim passaram-se os anos e suas respectivas épocas...

Mesopotâmios, Assírios, Fenícios, Gregos, Etruscos, Romanos, Árabes e Otomanos, Ostrogodos e Visigodos, Hispânicos e posteriormente as nações Europeias mais influentes na Idade Contemporânea e Moderna, entre os séculos XVI ao XIX conforme seus contextos de Influência, Invasões e Guerras...

Todos influenciados pelo clima, suas culturas primitivas herdadas e transmitidas, o medo das invasões e as guerras influenciaram e tornaram estas características tão incomuns e é o que chamamos de "Dieta Alimentar do Mediterrâneo"


A principal característica da Culinária Mediterrânea é a Simplicidade! 

Por ser uma culinária milenar e de autor não necessita de técnicas avançadas de cortes ou de cocção, a grande maioria de suas receitas são de ingredientes grosseiramente picados, muitas vezes em seu estado natural (com casca e sementes) e feitos em um só recipiente. Isso devido a preocupação com o completo aproveitamento dos produtos agrícolas, o tempo de cozimento curto para que não se percam os nutrientes.

O principal motivo do sucesso comprovado dessa dieta, além da simplicidade, é como são cozidos e feitos em um só recipiente e de forma que o cozimento não se prolongue, assim, suas características físico-químicas e seus nutrientes ficam presentes na receita.

Muito diferente da Cozinha de Montanha que muitos confundem com a cozinha mediterrânea, pois possuem a mesma origem e difundidas na Europa e no Oriente Médio e esta sim usa receitas de cozimento prolongado, muita gordura animal e ingredientes desidratados.

Alimentos muito cozidos oxidam e mudam suas características, comprometendo o sabor e liberando radicais livres que são prejudiciais a saúde.


OUTRO MOTIVO é o intenso uso do azeite extra virgem de oliva pois é um produto antioxidante rico em sais minerais, proteínas úteis e óleos essenciais que prologam a vida e aumentam sua defesa corporal, além de regular funções hepáticas, estomacais e renais.

As áreas de Cultivo da Olivicultura e desde quando ela existe!!!


Os principais produtos desta culinária são - azeite extra virgem de oliva, alho, cebola, trigo, mel de abelhas, frutas secas e desidratadas, ervas frescas, frutas frescas (maça, pera, damasco, figo e limão siciliano) e legumes - principalmente tomate, berinjela e abóboras. As proteínas principais são queijos a base de leite bovino, caprino e ovino, peixes, ovos e aves de caça. E não podemos esquecer do Vinho!!!!



Um capitulo a parte na Culinária Mediterrânea, são os vegetais, aonde incluo os cogumelos e os tubérculos (beterraba, cenoura, nabos e rabanetes), que foram incorporados pela Invasão Bárbara, séc IV.e teve seu 3º Capitulo com a vasta invasão Moura, no século VI e VII com a difusão das plantações de Trigo e Cevada.

Invasões Bárbaras


Invasões Mouras (Árabes e Otomanas)



Principais Produtos, Técnicas, Formas de Cocção,
Conservação e Preparo.

 

Principais Produtos da Dieta Mediterrânea.

 

ü  Azeite de Oliva

ü  Frutos secos, Aveia e Cevada

ü  PÃO & Massas - Farinhas de vários tipos de grãos

ü  Manejo marítimo – Pesca (Peixes e Frutos do Mar, Algas e o sal marinho)

ü  Peixes de Mar e Rio Salgados

ü  Manejo do Solo – Caça, Pecuária Intensiva, Vinho, Frutas secas e Conservas

ü  Laticínios de Origem Ovinas e Caprinas

ü  Cereais, Hortifrútis e Cogumelos

ü  Ervas Frescas e Especiarias Medicinais

 

 

Técnicas, Formas de Cocção,
Conservação e Preparo.

 

  • ü  Cocção “Al Dente”.
  • ü  Cocção Lenta e Gradual
  • ü  Cocção Braseada e Escalfada
  • ü  Cortes Anisométricos, com casca e semente
  • ü  Cocção feita em um só recipiente (90%)
  • ü  Berço da Salumeria e das Conservas por desidratação e cocção em meios ácidos.



As guerras e invasões na Europa influenciaram diretamente a forma como a cozinha mediterrânea se estabeleceu até hoje , e também com a necessidade do povo europeu de se alimentar em seu rigoroso inverno! precisava conservar alimentos e daí nasceram as conservas, embutidos, queijos duros e passas que conhecemos hoje. Como todos os povos mediterrâneos trazem na sua Culinária o sabor típico de sua região, além da Tradição dos seus ancestrais, as adversidades, também contribuíram para a busca de uma alimentação rápida, fácil, farta e nutritiva.

A maior diferença da Culinária Mediterrânea em comparação as outras culinárias, como a brasileira, seja o termo "al dente". O termo "Al Dente" não têm a ver propriamente com textura e sim com o sabor do ingrediente em si, que são facilmente digeridos.

Alimentos excessivamente cozidos, perdem parte do sabor e dos seus nutrientes e assim com a combinação desses alimentos mais o azeite e os vegetais em sua forma geral contribuem para que esta Culinária traga pra sua mesa, toda uma combinação de metais, óleo essenciais e sais minerais importantes para o bom funcionamento do corpo humano, como: Cálcio, Potássio, sódio, enxofre, ferro, magnésio, iodo, anti-oxidantes, anti-coagulantes, anti-radicais livres, Omega 3 e 6, açucares como licopeno, beta caroteno, amino ácidos, vitaminas A, B1, B6 e B12, C, K e P, enzimas catalisadoras de gorduras e vários outros!. 



O peixe, os pescados e frutos do mar em geral são um capítulo a parte na Dieta Mediterrânea, São suas principais fontes de proteínas e principalmente ma região do Cilento na Itália aonde banha o Mar Tirreno e as correntes de água doce que descem ao mar são as menores em fluxo da Itália naquela região contribuindo assim para um dos maiores índices de salinização da água marinha no Mundo e vindo encontro ao que já expus sobre a contribuição disto para a Nutrição do povo ali vivente!


Reparem nos nutrientes e nas concentrações destes encontrados em pescados pelo mundo e pela bacia Mediterrânea!


Todas essas substâncias encontradas em particular nesta região específica são diretamente responsáveis pela formação de ossos, dentes, cabelos, pele, cartilagens e sangue, diminuem o colesterol ruim, protege e fortalece os vasos sanguíneos, aumentam sua flora intestinal, aumentam suas defesas corporais e produzem derivados importantes para a formação de hormônios indispensáveis ao organismo.


Acredito que uma forma pra começarmos a introduzir uma dieta mediterrânea em nosso dia a dia é usar o azeite em abundância, optar por produtos frescos e de boa procedência, cozidos "al dente" e temperados com um bom sal marinho, alho, cebola e ervas frescas picadas na hora, levemente refogadas e carnes e proteínas grelhadas de mal passada ao ponto. Devemos começar nosso dia com um bom desjejum com frutas frescas, coalhada, granola e mel, não esquecendo nosso pão nosso de cada dia, de preferência integrais e sem adição de sacarose e queijo fresco.

No almoço uma carne grelhada com pouca gordura animal, combinada com uma seleção de legumes cozidos "al dente" com casca e sementes e verduras. E no jantar um Consome ou Bisqué rico em legumes e ervas....e entre essas refeições, uma fruta bem fresca ou um mix de frutas secas e desidratadas. Esses hábitos se adquiridos, já contribuem imensamente para uma alimentação saudável e nutritiva.


Terminando o raciocínio...quando falo da necessidade de comer um item "al dente" apenas quero explicar o por que e sua história! 
Combinar novas técnicas, com velhas tradições, formam a Moderna Cozinha Mediterrânea, com novos e deliciosos sabores combinando com o velho estilo.
Hoje na Moderna Nutrição Clínica e Médica e no que diz respeito a Gastronomia e todas as suas ciências reunidas a Nova Pirâmide Alimentar mudou seus conceitos de bases, usando a Dieta Mediterrânea como pressuposto de uma Dieta Rica e balanceada conforme quadro abaixo:



Como adaptamos a Dieta Mediterrânea à nossa Cozinha Regional Brasileira...?

 

ü  Estudando as mesmas nuances históricas, folclóricas, religiosas, geográficas e culturais de sua região.

ü  Dar preferência aos produtos do seu Ecossistema

ü  Preferir proteínas, hortifrútis e carboidratos dos manejos Regionais

ü  Respeitar a Biodiversidade, a Sustentabilidade e a Sazonalidade da Região

ü  Fomentar a Produção Agrícola Familiar e Orgânica

ü  Aplicar as novas técnicas nas receitas tradicionais e depois desenvolver novas.




Quero terminar esta explanação com uma frase que sempre minha Nonna dizia:


"Olio di Oliva i Amore non bastano mai"


Azeite de oliva e amor, jamais bastam!!!!




Ósculo e Amplexos Condimentados !


Chef Paulinho Pecora






Comentários

  1. Que maravilha, valorizar o que é nosso, comprar do pequeno que produz com tanto esmero teremos qualidade de vida na nossa mesa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por seu Comentário!
Para esclarecer dúvidas ou perguntas envie para e-mail - dp.pecora@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

Influências Históricas I - As Civilizações Antigas da Mesopotâmia e suas Influências sobre a Culinária Mediterrânea...

  As Civilizações Antigas da Mesopotâmia e suas Influências sobre a Culinária Mediterrânea... Antes de ler este post gostaria, se possível for, lerem este post que é aonde começa esta série... ORIGENS ARQUEOLÓGICAS E ANTROPOLÓGICAS DA CULINÁRIA MEDITERRÂNEA POVOS PRÉ-SUMERIANOS E A SUMÉRIA – 4200 A 2400 aC Por volta do ano 6000 AC   grupos de agricultores nômades vindos do Norte e Centro da Eurásia se estabeleceram na área fértil na Planície da Anatólia – Turquia. E no Sul e Sudeste da Mesopotâmia no Vale dos Rios Tigre e Eufrates (hoje parte da Síria e do Iraque) – Mesopotâmia no antigo Grego significa “Terra entre Rios” e de todos esse povos os que mais se desenvolveram e prosperaram foram os sumérios ( No Grego antigo – Cabeças Pretas) e assim fundaram uma nação conhecida então como Suméria. A partir desse início humilde, formou-se a primeira grande civilização do mundo. Os agricultores sumérios conseguiam obter fartas colheitas de cereais e outros produtos agrícolas, cujos excede

Os Ciclos Históricos da Fome - Origens Arqueológicas e Antropológicas da Culinária Mediterrânea

  Origens Arqueológic as e Antropológicas da Culinária Mediterrânea  Vamos voltar no tempo... Vamos há 13.000 anos atrás! Antes da formação da Civilização Humana exatamente no final da última Grande Era Glacial e do grande degelo da Terra que permitiu; mesmo após um grande cataclismo e morte de milhares (ou milhões conforme a Teoria Cientifica defendida...) de humanos e animais e que os sobreviventes pudessem ou tivessem deslocando-se pelos continentes e oceanos criando as Primeiras Civilizações Humanas. ( Na verdade assim fizeram, mas ainda as teorias divergem muito!) A Civilização Humana Primitiva com os primeiros processos de colheita e plantio e a cria de animais domesticados permitiram, aos humanos nômades e viventes, daquela época conseguir transformar a sua dieta* de caça e a procura do alimento de subsistência para uma dieta dividida em refeições diárias equilibradas com os ingredientes obtidos conforme sua época e sua sazonalidade (Agricultura de Extração) ou de região de plan

Influências Históricas II - O Egito Antigo e sua Influência sobre a Culinária Mediterrânea...,

  EGITO ANTIGO  O ANTIGO IMPÉRIO - 2400 a 1200 AC A primeira grande civilização da África teve início com o povoamento do vale do Nilo, no Nordeste do continente, por volta do ano 5000. Acredita-se hoje que seus colonizadores provinham do Saara, onde as primeiras sociedades agrícolas haviam se desenvolvido 2 mil anos antes, quando as mudanças que o transformaram em um deserto ainda não haviam ocorrido. Essas mesmas mudanças climáticas secaram os pântanos do vale do Nilo, que assim se tornou mais atraente para os agricultores. Em meados do quarto milênio, o vale do Nilo já estava densamente povoado. Cidades haviam se desenvolvido, e a região fora dividida em dois reinos egípcios. A cronologia tradicional egípcia considera que, em 3200, o faraó (soberano) Menés unificou os dois reinos do país e criou um Estado ‐ único. Esse foi o início de uma civilização que durou 3 mil anos e que ficou marcada por suas tumbas monumentais e pelo florescimento da cultura egípcia. No período mais remoto d